O ralo das refinarias

O ralo das refinarias

Há quem pense que tudo o que tiver algum cheiro de petróleo tem de ficar com a Petrobrás; Foi por bobagens assim que a empresa perdeu o foco, foi arrastada para o atoleiro e ficou sufocada pelo excesso de responsabilidades

Celso Ming

25 Abril 2015 | 16h50

A Petrobrás já decidiu que sua política de desinvestimento atingirá US$ 13,7 bilhões nestes dois anos: 2015 e 2016. Não há nenhuma evidência de que sairá do sufoco se parar por aí.

Desinvestimento é, por si só, consequência da política desregrada a que foi submetida a empresa nesses últimos 12 anos, a mesma que o presidente Aldemir Bendine comparou a um “desastre de avião”.

Desregrada não só porque investiu mais do que podia, mas, também, porque a política de represamento das tarifas de combustíveis destinada a combater a inflação e garantir objetivos eleitorais sangrou perigosamente o caixa da Petrobrás e lhe tirou capacidade de investir.

GasolinaMundo24abr

Nesse programa de desinvestimento não está nenhuma refinaria, por uma razão óbvia. Com a política de represamento de preços internos adotada até então, ninguém tem interesse em comprar uma refinaria: “Se os organismos de controle permitem que a Petrobrás pratique dumping (preços abaixo do custo ou dos vigentes no mercado externo), nenhum investidor entra neste negócio”, avisa o ex-diretor-geral da ANP David Zylbersztajn. Nem a Venezuela no auge de seu bolivarianismo aceitou ser sócia da Petrobrás em refinaria.

A Petrobrás tem 13 delas. Em janeiro decidiu “encerrar” os projetos de construção das refinarias “Premium”, no Maranhão e no Ceará. A Abreu e Lima (Pernambuco) iniciou a operação do seu primeiro trem em dezembro. Mas o segundo “foi postergado”. O mesmo aconteceu com o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Já está faltando gasolina. O suprimento está sendo complementado por importações. Entre as macroquestões a pedir decisão urgente está a de saber se, diante de tanta escassez de recursos, a Petrobrás não deveria se concentrar no seu principal negócio (core business), que é a exploração, o desenvolvimento e a produção de petróleo e de gás, especialmente no pré-sal, e deixar outros segmentos como o refino, a petroquímica, a distribuição de derivados e a produção de fertilizantes para outros investidores.

Há quem pense que tudo o que tiver algum cheiro de petróleo tem de ficar com a Petrobrás. Ou, então, que também precisa cuidar do refino porque é necessário agregar valor, como se o dono do boi devesse também se dedicar à produção de sapatos. Foi por bobagens assim que a empresa perdeu o foco, foi arrastada para o atoleiro e ficou sufocada pelo excesso de responsabilidades.

A necessidade de abandonar as políticas populistas de achatamento dos preços e de adotar o realismo tarifário também nos derivados do petróleo decorre de duas exigências. A primeira é a necessidade de garantir robustez de caixa para que a Petrobrás tenha condições de investir. A outra é a necessidade de se concentrar na principal atividade, que é a exploração e a produção de petróleo e de gás e, assim, deixar o segmento do refino para outros interessados. E, para isso, os derivados precisam de preço.

Se for para importar gasolina e outros derivados, também será necessário garantir equalização de preços para impedir que o importador tenha prejuízo.

CONFIRA:

Dolar24abril

Esta é evolução do dólar no câmbio interno, que agora recuou dos R$ 3.

Melhora a confiança
O enfraquecimento da cotação do dólar em relação ao real reflete a relativa desvalorização da moeda norte-americana no mercado internacional e a melhora da percepção da economia brasileira, uma vez que o ajuste ficou irreversível. Também deve contribuir, a divulgação do

Mais conteúdo sobre:

Balanço PetrobrásdólarPetrobrás