Opções Dilma

Opções Dilma

Celso Ming

23 de junho de 2014 | 20h00

Sábado, o PT homologou a candidatura da presidente Dilma para a Presidência da República, com a proposta de “continuar para melhorar”.

Até agora, nem a presidente Dilma nem as autoridades da área econômica do atual governo explicaram à opinião pública o que seria essa melhoria. Como mudou mais de uma vez, um novo governo Dilma pode seguir mudando. Falta saber se seria o suficiente para virar o atual curso paralisante da economia.


Dilma. Que mudanças? (FOTO: André Dusek/Estadão)

Na oposição prevalece o ponto de vista de que um eventual segundo mandato será continuação do jeito Dilma de governar e de nada além de mais do mesmo, com os mesmos resultados: crescimento decepcionante do PIB e inflação no teto da meta.

Como atitude inicial de um governo reconduzido ao poder pelo voto, esse ponto de vista teria lá suas justificativas: implicaria certo grau de aprovação popular ao que foi feito no primeiro mandato. No entanto, a dinâmica própria da economia não parece capaz de sustentar uma política desse tipo.

Caso se reeleja, a presidente Dilma até poderia manter seu estilo centralizador e personalista de governar, mas é improvável que sustentasse por muito tempo o atual arranjo de política econômica, que deu errado.

Três são as hipóteses de política econômica a considerar em caso de vitória da presidente Dilma.

A primeira seria a de que, uma vez recarregadas as baterias de capital político, bastariam alguns ajustes para que o atual quadro de estagflação fosse prontamente revertido. É o diagnóstico de que não há nada de especialmente errado na política econômica e o de que o desânimo tem mais a ver com a onda pessimista difundida pelos analistas. Como até mesmo as lideranças do PT estão descontentes com os resultados da economia, é improvável que esse ponto de vista prevaleça.

Não falta dentro do atual governo quem argumente que a atual incapacidade de mostrar resultados não tem a ver com a opção pela Nova Matriz de Política Econômica, mas, sim, com a falta de aprofundamento das atuais diretrizes desenvolvimentistas. É a maneira de pensar de quem recomenda muito mais do mesmo: rédeas soltas na administração das finanças públicas (política fiscal frouxa), derrubada dos juros para catapultar o consumo e desvalorização mais radical do real (alta do dólar) para dar competitividade à indústria – e esta seria a segunda hipótese aqui avaliada.

Seria a receita para uma trombada imediata no barranco. A confiança ficaria ainda mais abalada; os investimentos minguariam; os US$ 30 bilhões de capitais externos que hoje estão tirando proveito dos juros altos e do câmbio estável bateriam em retirada; e a inflação seguiria seu curso.

As duas opções acima se esgotariam rapidamente. E, nessas condições, não sobraria para a segunda administração Dilma outra saída senão dar um choque de ortodoxia, do tipo Antonio Palocci, capaz de mudar de rumo e de estratégia, para que a economia voltasse a curso sustentável, de crescimento razoável e de inflação na meta.

Em todo o caso, os fatos e a política têm dinâmicas próprias, como as manifestações de junho de 2013 também tiveram. É o que recomenda cautela e caldo de galinha.

CONFIRA:

A cada semana, reduz-se a projeção do avanço do PIB deste ano pelo mercado. Acompanhe a evolução.

Seguro na mão

A propósito da Coluna de domingo (‘Custos do pleno emprego’), o empresário Boaventura Santos observa que está difícil arrumar mão de obra. “Pessoas que estão disponíveis ou que topam trocar de emprego só o fazem se o empresário oferece emprego informal para ficar com o seguro-desemprego. Querem ser demitidos para sacarem o fundo. Se o empresário recusa, trocam de emprego e ficam informais em outro lugar.”

Tudo o que sabemos sobre:

Dilma