Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Os lados ruins da boa notícia

Celso Ming

17 de dezembro de 2010 | 11h27

O desemprego no Brasil caiu em novembro a níveis recordes. Foi de apenas 5,7% da força de trabalho, divulgou o IBGE na manhã desta sexta-feira. Isso significa que a cada mil trabalhadores, apenas 57 não estão colocados.

É uma situação muito próxima do pleno emprego. Em inúmeros setores começa a faltar mão de obra até mesmo não especializada.

No dia 12 de dezembro, na rede CBS dos Estados Unidos, o empresário brasileiro Eike Batista, contou que está importando soldadores dos Estados Unidos para trabalhar nas plataformas de sua empresa de petróleo.

Essa é uma situação sem precedentes no Brasil, que acontece quando o mundo rico está mergulhado no desemprego profundo. Na terça-feira, o Fed (banco central dos Estados Unidos) lamentava, no comunicado emitido logo após sua reunião para revisão dos juros, que não há nenhuma reação visível do emprego na economia americana. E esse é também o grande problema da Europa e do Japão.

Ainda ontem, o Ministério do Trabalho revelou que foram criados aqui no Brasil 2, 5 milhões de empregos com carteira assinada apenas nos primeiros 11 meses deste ano. Em grande parte, essa situação tem a ver com o forte aumento das despesas públicas – e esse é o primeiro lado ruim dessa notícia boa.

O outro é que esse aumento do emprego, e também o da renda, tendem a criar inflação, especialmente a partir do setor de serviços. E essa é a principal razão pela qual o governo Dilma já avisou que vai desacelerar o crescimento econômico.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: