Pedi e não recebereis

Pedi e não recebereis

Celso Ming

26 de dezembro de 2012 | 20h00

Nos seus contatos mantidos ao longo deste ano com os empresários brasileiros, o governo Dilma alardeou não ter feito outra coisa senão atender às reclamações deles: derrubou os juros, desde agosto de 2011, em 5,25 pontos porcentuais, para 7,25% ao ano; puxou a cotação da moeda estrangeira da altura de R$ 1,60 por dólar para R$ 2,10; desonerou a folha de pagamentos para 42 setores; e aumentou a disponibilidade de crédito subsidiado fornecido pelo BNDES.

Os empresários vêm mantendo em relação a essa política uma reação ambígua. De um lado, não podem deixar de elogiar os esforços do governo. De outro, acham tudo muito insuficiente e sempre querem mais. A atitude prevalecente é de descontentamento, que transparece da pouca disposição de investir.

SKAF_ALEXANDRE_MOREIRA_BRAZIL_PHOTO_PRESS.jpg
Skaf. Dólar na faixa de R$ 2,40 (FOTO: BRAZIL PHOTO PRESS)

Foi o que se viu na entrevista coletiva à imprensa que o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, concedeu dia 18 para fazer um balanço de 2012. Ele pediu um câmbio “de equilíbrio, na faixa de R$ 2,30 a R$ 2,40 por dólar”, o que implicaria uma desvalorização adicional do real de 15%. Advertiu, também, que não há razão para a Selic (juros básicos) não cair para a altura dos 5,0% ao ano.

Há uma semelhança de comportamento entre os integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) e os empresários. Ambos seguem dizendo que querem uma coisa, mas, na realidade, querem outra. Depois de certa observação, dá para concluir que os sem-terra não querem terra. Quando a recebem, não sabem o que fazer com ela e, logo em seguida, procuram vendê-la. O que pretendem, na verdade, é emprego.

Os empresários, por sua vez, sempre que podem, repetem que desejam mais desvalorização cambial e mais redução dos juros. No entanto, o que de fato querem é mais competitividade da indústria e mais resultados em lucros, que somente em parte têm a ver com mais câmbio e menos juros. Estão mais ligados à redução de impostos, à infraestrutura melhor e mais barata, à Justiça mais confiável e mais rápida, à mão de obra mais treinada e mais eficiente. E têm mais a ver com regras do jogo bem definidas e mais firmes, com controle da inflação e com uma economia mais previsível.

Se estivessem satisfeitos como o desempenho da política econômica do governo Dilma, como tantas vezes reafirmam nos discursos, os empresários estariam desengavetando seus projetos de expansão de capacidade de produção. Mas seguem na defensiva. Temem os desequilíbrios da economia que corroem o retorno esperado.

De um lado, o empresário quer mais câmbio e menos juros, como se viu: de outro, o governo não pode mais concedê-los, porque tenderia a desequilibrar ainda mais a economia.

O empresário também reivindica menos imposto e nisso tem toda razão, porque a carga tributária está exorbitante. As mexidas que o governo vem fazendo no sistema tributário não passam de puxadinhos construídos com renúncias fiscais. Em 2013, serão mais R$ 40 bilhões. Mas o governo já esticou demais essa corda. Conta com um crescimento do PIB de pelo menos 4% em 2013. Caso venha mais baixo, a arrecadação não dará conta e o desequilíbrio aumentará.

Ou seja, a relação governo-empresários tende a continuar delicada e muito insatisfatória.

CONFIRA

O gráfico traz a variação da cotação do dólar no câmbio interno ao longo do ano (até esta quarta-feira). O processo de desvalorização cambial (alta do preço da moeda estrangeira), reiteradamente reivindicado pelos empresários, começou em março.

Só empatou. As primeiras estatísticas da Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings mostram que seu faturamento real neste final de ano (descontada a inflação) não foi muito melhor do que o do ano passado. Houve crescimento de apenas 6%, ligeiramente mais do que a inflação no período.