Problema do investimento privado é mais profundo

Celso Ming

22 de julho de 2010 | 13h15

O ministro Guido Mantega está anunciando isenção do Imposto de Renda para aplicações de longo prazo cujos recursos se destinem ao investimento.

Precisou chegar ao final do governo para que o ministro de repente sentisse a urgência do problema. A poupança do brasileiro é baixa, é de apenas 16% ou 17% do PIB, e o investimento também não passa disso. E, sem poupança e sem investimento, não dá para tocar os projetos de expansão da infraestrutura previstos já para o ano que vem.

Não ficou claro como o ministro dará isenção de Imposto de Renda para títulos que, a rigor, precisarão ser redescontados e revendidos em prazos mais curtos.

Em todo o caso, o problema é mais profundo. É a profunda aversão aos investimentos privados por parte deste governo, que quer estatizar  tudo e, como sabemos, sem que o Tesouro tenha recursos para isso.

Nem mesmo as Parcerias Público Privadas, proclamadas há alguns anos como solução para a falta de capital, foram colocadas em marcha. E agora vem esse sufoco de um governo que não tem dinheiro nem para o PAC, nem para as obras da Copa do Mundo, nem para as da Olimpíada, nem para financiar a expansão da produção para que a economia continue crescendo pelo menos 5% ao ano.

De mais a mais, falta uma política que garanta o investimento. Não faz o menor sentido isentar debêntures do Imposto de Renda se a compra de máquinas e equipamentos e o funcionamento de uma indústria são tão sobrecarregados por uma imensidão de impostos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.