ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

A fraqueza do PIB e os desafios do governo

Cida Damasco

28 de fevereiro de 2019 | 10h50

O que tem a ver a e evolução da popularidade de Bolsonaro com o desempenho do PIB? Tudo. É mais do que sabido que o eleitorado do presidente votou contra a corrupção, contra as práticas políticas de sempre, mas também a favor da retomada do crescimento da economia e, por tabela, do bem-estar da população. Portanto, quem não está vendo uma perspectiva de virada radical da economia, com mais produção, mais empregos e mais salários, tende a ficar pelo menos mais reticente em relação ao novo governo.

A julgar pela pesquisa CNT/MDA, divulgada nesta terça-feira, o período de graça do governo foi mais curto do que muitos imaginavam: a parcela da população que considera o governo Bolsonaro como ótimo ou bom está em 39%, o desempenho mais fraco em início de mandato na comparação com FHC, Lula e até com Dilma Rousseff,  E, se o cenário econômico for o que está pintado até o momento, as coisas não estão muito promissoras para o governo.

O crescimento do PIB de 2018 ficou em 1,1%, praticamente uma repetição do registrado em 2017, e um terço das previsões feitas no início do ano. As projeções para 2019, que já andaram nas vizinhanças de 3%, estão perto de 2,5%, na pesquisa Focus do Banco Central, e começam a ser revistas para baixo por vários analistas.

Mais preocupante ainda, a taxa de desemprego medida pelo IBGE, que havia atingido 11,6% no último trimestre de 2018, subiu para 12% no trimestre móvel de janeiro, o correspondente 12,7 milhões de pessoas sem ocupação — o maior número desde agosto do ano passado, ainda que engordado também pela sazonalidade . Sutilezas e particularidades estatísticas à parte, trata-se, sem dúvida, de uma prova da persistente fraqueza do mercado de trabalho. Especialmente considerando-se que a tendência dominante é a informalidade, com todos os efeitos colaterais sobre a remuneração e a insegurança do trabalhador.

Os resultados de 2018, embora não surpreendentes, deixam às claras que o circuito do crescimento continua obstruído, tanto pelo consumo como pelo investimento. O consumo das famílias aumentou 1,9% % sobre 2017 e os investimentos, 4,1% % — este último um número satisfatório, depois de quatro anos negativos, mas ainda insuficiente para garantir um forte impulso à economia neste ano, o primeiro do governo Bolsonaro. A construção civil, vista como outro indicador importante de investimentos, caiu pelo quinto ano seguido, e não foi pouco (2,5%).

Os analistas apontam a parada dos caminhoneiros e as incertezas eleitorais como grandes responsáveis por essa atividade econômica morna. Mas é bom lembrar que o desempenho do quarto trimestre — crescimento de apenas 0,1% sobre o anterior — indica que, mesmo passados esses dois eventos, a economia continua empacada. A palavra é essa.

A equipe econômica, no momento, está 100% concentrada na aprovação da reforma da Previdência, prioridade das prioridades para evitar o colapso das finanças públicas. E nem poderia ser diferente, tendo em vista que os gastos previdenciários explodem, deixando um espaço cada vez mais reduzido para as despesas não obrigatórias. As mais sacrificadas, é óbvio, estão no terreno dos investimentos. Segundo dados do Ministério da Economia, a meta de ganho fiscal com a reforma, da ordem de R$ 1 trilhão para o período de 2020 a 2029, está abaixo de um terço do déficit projetado especificamente para o INSS — sem contar, portanto, a Previdência dos servidores públicos.

Para a população em geral, contudo, quando se fala em melhora da economia, está implícito um crescimento bem mais vistoso do que o obtido até agora e o previsto para o ano. Além disso, a própria reforma da Previdência ainda é encarada com desconfiança pelos não especialistas — na pesquisa CNT/MDA, a divisão entre os que aprovam e os que desaprovam a reforma é na base do meio a meio.

Como se pode ver, está nas mãos do governo um desafio e tanto: convencer a população de que a reforma da Previdência não só é necessária como urgente, calibrar o projeto que chegou ao Congresso, com alguns “bodes e jabutis” e distorções, e ainda conduzir a política econômica para que, enquanto essas mudanças não ocorrem, algum estímulo ao crescimento venha atender às demandas mais imediatas dos cidadãos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: