Sob nova direção

Cida Damasco

31 de janeiro de 2017 | 18h43

Um dia exemplar para mostrar o estado em que se encontra a economia brasileira. Pelo menos três grandes indicadores divulgados nesta terça-feira, 31, apontam os principais problemas que comprometeram fortemente o ano de 2016 e ameaçam 2017: taxa de desemprego, déficit do setor público e desembolsos do BNDES. Nenhum deles surpreendente, mas anunciados no mesmo dia, compõem um quadro mais claro e reforçam as preocupações sobre o futuro da economia.

De acordo com dados do IBGE, a taxa de desemprego ficou em 12% no último trimestre do ano passado, o que corresponde a um contingente de 12,3 milhões de pessoas em busca de uma colocação no mercado de trabalho, com um aumento de 36% sobre o mesmo período de 2015. A taxa é recorde da série histórica, iniciada em 2012, e poderia ser ainda maior, se não fosse o chamado efeito desalento – que, em momentos de crise, leva as pessoas a desistirem de procurar emprego.

No caso do setor público, o ano fechou com um déficit primário de quase R$ 156 bilhões, pior resultado desde 2001, embora abaixo da previsão orçamentária, que chegava a R$ 164 bilhões. O que pesou foi o mau desempenho do governo central, já que Estados e municípios conseguiram até um pequeno superávit – ou, melhor dizendo, um equilíbrio das contas.

Por fim, o dinheiro que o BNDES desembolsou para investimentos em 2016 registrou um baque de 35% sobre o ano anterior, sem descontar a inflação: ficou em R$ 88,3 bilhões, o menor volume desde 2007. Sinal inequívoco da pouquíssima disposição de investimentos, por parte das empresas, e também de um certo pé no freio por parte do banco, cuja imagem foi seriamente arranhada pela política agressiva de apoio aos chamados campeões nacionais, na era petista.

O governo Temer procura se descolar desses resultados, mostrando que eles são consequência direta das distorções da política econômica de Dilma — e não de responsabilidade da “nova direção”. Mas, tanto em termos de atividade econômica, como de finanças públicas, tudo indica que os estragos foram muito grandes e o conserto ainda leva algum tempo.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.