10 dicas para não cair em golpes de empréstimo fácil

10 dicas para não cair em golpes de empréstimo fácil

Economia & Negócios

03 de junho de 2015 | 10h23

Nunca faça empréstimo apenas por meio de contato telefônico ou site

Nunca faça empréstimo apenas por meio de contato telefônico ou site (Foto: Free Images)

Você está precisando de dinheiro e foi atraído por uma oferta de empréstimo tentadora? Fique atento para não cair em golpes de empréstimo fácil oferecidos por telefone, e-mail e panfletos distribuídos na rua, e até mesmo em comerciais de TV e rádio.

Para aplicar o golpe, quadrilhas utilizam documentos falsos para veicular propagandas oferecendo dinheiro fácil, usando indevidamente o nome de instituições de crédito com renome no mercado.

Quem liga para o telefone anunciado é orientado a fazer um depósito, correspondente a 3,5% a 8% do valor a ser emprestado, em conta particular, sob a alegação de assegurar a liberação do dinheiro. Porém o crédito nunca é concedido. E os estelionatários não são localizados.

Não se deve contratar empréstimos por telefone, e nem aceitar fazer depósitos em contas de particulares.

Evite as formas mais fáceis de crédito, pois quanto mais fácil o acesso ao empréstimo, maiores são os riscos de fraude e mais altos são os juros.

1 – Desconfie daquelas empresas que oferecem muitas facilidades.

2 – Veja se as taxas de juros cobradas e o Custo Efetivo Total (CET) não irão elevar demais o valor a ser pago.

3 – Não empreste seu nome para terceiros.

4 – Nunca faça empréstimo apenas por meio de contato telefônico ou site.

5 – Não aceite pagar o empréstimo com depósitos em contas bancárias de pessoas físicas.

6 – Verifique no órgão de defesa do consumidor se há reclamações contra a empresa.

7 – Certifique-se de que as parcelas não irão comprometer o orçamento, dificultando o pagamento de outras despesas.

8 – Guarde todo o material publicitário. Ele integra o contrato e suas informações devem ser cumpridas.

9 – Informe-se no Banco Central, fone 145, ou pelo site www.bcb.gov.br, se a empresa tem autorização para realizar tais empréstimos.

10 – Em último caso contrate um empréstimo pessoal. Ou, então, peça ajuda a um familiar, combinando, por exemplo, de pagar juros como os da poupança no empréstimo. Assim o acordo não prejudica quem empresta e não se torna impagável para quem pede emprestado.

Tudo o que sabemos sobre:

empréstimofinanciamentogolpe

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: