Aperte os cintos

Claudio Considera

23 de março de 2020 | 10h09

O país e nossa vida não serão os mesmos quando passar a pandemia do coronavírus. Temos que aproveitar a quarentena para, além de se prevenir para não se contagiar com o Covid-19, repensarmos o orçamento familiar.

Diante da previsão de recessão e de desfalque na receita, temos de nos planejar para  cortar gastos de forma que os efeitos sejam menos danosos.

Os cortes de salários e a falta de trabalho para prestadores de serviço autônomos devem servir de alerta para avaliarmos o impacto financeiro em todo o País, rever nossos gastos diários e evitar ainda mais dívidas.

A tendência é que as dificuldades financeiras se prolonguem, e temos que apertar o cinto para sobrevivermos. Abra o jogo com os familiares e peça a contribuição de todos para economia em gastos supérfluos.

Comece repensando seus hábitos de consumo. Aproveite a redução de oferta de alguns produtos para testar marcas desconhecidas e mais baratas. Não deixe de comparar preços.

Reserve o que gastaria neste período com lazer, transporte, e refeição fora de casa, para reforçar o pagamento dos gastos com o consumo maior de serviços básicos como energia, telecomunicações, água e gás.

Reveja os gastos habituais no cartão de crédito. Pare de agir como se comprar compulsivamente substituísse outras formas de gratificação pessoal.

Conscientize-se sobre os desperdícios, ao invés de estocar produtos que podem elevar o endividamento de cada um. Descartamos muito alimento bom para consumo e não aproveitamos partes nutritivas de talhos, folhas e raízes, por exemplo.

Aproveite o tempo livre para contabilizar o que tem de vestuário e calçados que só estão ocupando espaço e não são usados faz tempo. Vai poder doar o que não precisa e ajudar quem está numa situação difícil neste período de confinamento.