Arroz na vitrine

Arroz na vitrine

Claudio Considera

26 de outubro de 2020 | 10h27

A discussão do presidente Bolsonaro com um cidadão sobre os altos preços do arroz descambou, como frequentemente ocorre, para a situação da Venezuela.

O presidente disse para ele que poderia comprar arroz tabelado no país vizinho.
A questão é o desequilíbrio econômico e político do Brasil, que se reflete nos preços dos produtos básicos por meio da desvalorização do real frente ao dólar.

É óbvio que o aumento das exportações e os efeitos dos benefícios pagos como renda emergencial encareceram não somente esse alimento. Mas há uma perigosa retomada inflacionária que deveria ser combatida com política econômica.

O consumidor, contudo, não está entre as preocupações deste governo. A saída é pesquisar preços e na medida do possível substituir os mais caros.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: