O que fazer quando não dá para manter o carro financiado

O que fazer quando não dá para manter o carro financiado

Renegociar o débito com o banco é difícil, mas não é impossível: o credor pode preferir facilitar o pagamento do que deixar de receber, o é um bom negócio para os dois lados

Economia & Negócios

28 de janeiro de 2015 | 12h05

Financiar é fácil. Difícil é pagar as parcelas junto com seguro, IPVA, gasolina... (Foto: toplowridersites)

Financiar é fácil. Difícil é pagar as parcelas junto com seguro, IPVA, gasolina… (Foto: toplowridersites)

O custo de manutenção de um carro é elevado para quem financia e já está com o orçamento comprometido.

Além de pagar as parcelas do financiamento do carro, é preciso quitar seguro, o IPVA e mais todas as despesas de manutenção de um veículo como revisão, combustível, lavagem, entre tantas outras. Ou seja, se não foi bem planejado, o gasto será bem acima do previsto e as chances de não conseguir pagar o financiamento são grandes.

Antes de deixar de pagar o financiamento e virar inadimplente, o consumidor deve tentar renegociar a dívida e mudar os hábitos de compra. Observar os gastos e fazer a projeção da renda para os próximos meses é importante para buscar a renegociação do débito antes de ficar inadimplente.

O primeiro passo é renegociar a dívida e mudar os hábitos passando a controlar os gastos. É fundamental fugir do apelo mercadológico das compras a prazo.

Pode ser difícil conseguir renegociar o débito com o credor, mas não é impossível. O banco pode preferir facilitar o pagamento do que deixar de receber, o que pode ser um bom negócio para os dois lados. Mas  a renegociação, assim como assumir outro financiamento para pagar a dívida, está sujeita à cobrança de juros mais altos – o crédito fica mais caro.

Outra saída é tentar vender o automóvel para alguém que consiga assumir a dívida.

Atenção com a modalidade de financiamento chamado de “alienação fiduciária”. Neste caso, o banco paga parte do valor e o carro só será de propriedade do comprador quando este terminar de pagar as parcelas.

No caso de uma pessoa, por exemplo, que em um carro de R$ 20 mil, pagou R$ 10 mil de entrada e financiou o resto, ela terá na verdade uma dívida de R$ 15 mil por causa dos juros. Ela recebe o carro e não tem a propriedade dele: pois o bem fica alienado.

Caso o consumidor deixe de pagar uma parcela e não consiga renegociar a dívida, o banco se apropria do carro e tenta vender por meio de leilão. O banco usa o dinheiro para quitar a dívida, mas dificilmente consegue vender o bem pelo valor que cobra e o consumidor perde o carro e continua a dever para o banco. E para reformular esta dívida, o consumidor tem que recorrer a outro financiamento.

 

Tudo o que sabemos sobre:

Orçamento doméstico

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: