Cartão próprio do supermercado: artimanha para reter clientela

Economia & Negócios

17 de agosto de 2015 | 16h03

Tem proliferado nos supermercados ofertas de produtos exclusivas a quem tem o cartão de crédito do estabelecimento. Será que vale a pena aderir a um cartão próprio da loja, estando sujeito a pagar uma mensalidade no período em que não fizer compras?

Procons, como o de Minas Gerais, avaliam que essa iniciativa abre espaço para algumas práticas abusivas com diferenciação entre clientes que levam o mesmo produto pagando preço diferente. E aconselha o boicote aos supermercados com esta prática.

Entendo que o preço da gôndola tem que valer para todos, e que os programas de fidelização possam estimular a descontos no total da compra, mas só ao passar pelo caixa, por exemplo. É irritante chegar no caixa e perceber que aquele preço em destaque da oferta não vale para você.

Se o consumidor compra sempre no mesmo local, ele pode fazer as contas de quanto o estabelecimento dá de desconto para os clientes “fidelizados” e quanto custa a manutenção do cartão. Se realmente houver economia, ainda assim, deve ter em vista a importância da liberdade de escolha, e de pesquisar preços entre locais diferentes.

Mesmo com a diferença de preços na oferta de produtos exclusivos, pode sair mais em conta comprar em outro local sem ter cartão da loja. Ou seja, pode ser apenas uma artimanha do estabelecimento para reter o cliente.

Tudo o que sabemos sobre:

supermercado

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: