Como fazer se o produto ainda não chegou?

Não há um prazo tolerável de espera, o fornecedor deve cumprir exatamente o prazo prometido, em cumprimento à oferta

Economia & Negócios

18 Junho 2018 | 12h07

Aquela dor de cabeça de ficar esperando pelo produto comprado ou serviço contratado, e o prazo não ser cumprido, só aumentou depois da greve dos caminhoneiros. Os reflexos persistem porque toda a cadeia de produção foi afetada com a paralisação, ocorrida há quase um mês.

+ Cade diz que tabelamento do preço do frete configura formação de cartel

Nestas situações o consumidor precisa reiterar contato com a empresa e cobrar a entrega o mais rápido possível. Não pode deixar de registrar a sua reclamação, solicitando o número de protocolo.

+ Grupos tentam derrubar medidas no Congresso

Se não houver agendamento da data de forma ágil deve procurar uma entidade de defesa do consumidor em busca de seus direitos. Pode até pedir o cancelamento da compra e o dinheiro de volta.

+ Saque de conta do PIS/Pasep começa nesta segunda-feira

Nestes atrasos, além do transtorno de ficar sem o produto comprado o consumidor ainda perde dia de trabalho e compromissos esperando por entregas que não são feitas e sequer justificadas.

Não há um prazo tolerável de espera. O fornecedor deve cumprir exatamente o prazo prometido, em cumprimento à oferta. Se demorar muito, mas o produto chegar, o consumidor pode devolvê-lo. Isto pode ser feito no momento da entrega, mediante recusa. Mas deve comunicar à empresa sobre essa recusa, conforme faculta o artigo 35 do Código de Defesa do Consumidor.

Nos casos em que optar pelo cancelamento da compra e o pagamento tiver sido por meio de cartão o consumidor deve exigir que a empresa solicite, junto à administradora do cartão de crédito, o cancelamento da compra, bem como das futuras parcelas, com o estorno dos valores já pagos.