Cuidado para não perder o plano de saúde por inadimplência

Claudio Considera

04 de maio de 2020 | 10h00

Ao contrário de outros setores de serviços os planos de saúde não se dispuseram a prorrogar os pagamentos dos boletos neste período de pandemia em que a economia parada levou à perda de renda de grande parcela da população. Por isso, atenção com os prazos que pela lei você pode ficar inadimplente sem perder o direito à assistência médica.

Prazo de atraso do plano não pode passar de 60 dias. Crédito: Free Images

As empresas do setor preferiram abrir mão da liberação de parcela do fundo de reserva que negociavam com a Agência Nacional de Saúde (ANS) para não atender a exigência de manter o atendimento aos inadimplentes, neste período de combate à Covid-19. Nesses momentos é que se avalia o compromisso social das empresas.

O rompimento do contrato do plano individual é possível em caso de fraude ou inadimplência por mais de 60 dias, consecutivos ou não, após notificação da operadora até o quinquagésimo dia. Se você está sem condições de quitar o boleto faça contato com a operadora e tente negociar pelo menos um desconto, ou prorrogação do prazo de pagamento, para garantir a continuidade do atendimento principalmente neste período em que o sistema público já está estrangulado.

Pior para quem tem plano individual porque este período coincide com o do reajuste anual dos contratos. Cabe à ANS protelar esse aumento, diante da situação de crise enfrentada e da emergência sanitária.

Mas quem tem plano coletivo, pago pela empresa também pode ser afetado, diante dos cortes que vem ocorrendo e do atraso de pagamento por parte das empresas às operadoras contratadas. São 47 milhões de brasileiros com insegurança sobre atendimento à saúde no momento em que mais estão vulneráveis.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.