De olho nas fusões

Claudio Considera

09 de novembro de 2020 | 09h08

Os interesses dos consumidores estão em jogo em diversas operações de fusão, em andamento por conta da crise econômica alavancada pela pandemia do novo coronavirus. Sabemos que o consumidor só perde quando há menos concorrência no mercado.


O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) terá um papel fundamental na análise dessas operações para garantir a proteção dos consumidores, evitando concentrações ainda maiores em setores como o aéreo, em que a Latam pode se unir à Azul; teles, com a venda da Oi; e da educação privada, com a aquisição da Laureate pela Anima.

O mais importante é que se evite a criação de monopólios, pois, lamentavelmente, a economia brasileira é dominada por eles em vários segmentos de mercado. O consumidor precisa ter opções, e escolhê-las livremente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.