Direitos desrespeitados

Claudio Considera

06 de julho de 2020 | 09h29

Dificuldade para cancelar contratos de serviços suspensos durante a quarentena da pandemia, como de academias de ginástica. Cobranças indevidas de serviços públicos, como energia elétrica. Problemas com compras virtuais. As entidades de defesa do consumidor estão sobrecarregadas de queixas de consumidores neste período de isolamento social da Covid-19.

Valor de cobrança da conta de luz dá dor de cabeça ao consumidor Foto: JF Diório/Estadão

No caso das contas de luz o problema foi a cobrança pela média no período inicial da quarentena e, agora, muitos receberam boletos com valores extorsivos, em São Paulo.

Justamente quando o consumidor está com rombo no orçamento é vítima de cobranças indevidas, e ainda vem pela frente um reajuste médio de 4,23% autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Procon e Ministério Público estão tentando solucionar a questão com a Enel, enquanto a empresa dá como alternativa o parcelamento do valor cobrado, no cartão de crédito.

É importante ir atrás dos direitos desrespeitados. As entidades de defesa do consumidor oferecem canais digitais para formalização das reclamações. E se o problema for com segmento onde haja concorrência, use sua principal arma: o poder de escolha. Troque de fornecedor. Não insista com quem não valoriza o cliente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.