Economia em plano de saúde coparticipativo pode ser falsa

Eles são mais vantajosos para quem não costuma utilizar o plano com muita frequência, mas a pessoa acaba contando com a sorte, pois não tem como saber quando e quanto utilizará o plano

Economia & Negócios

20 Junho 2016 | 11h44

Na expectativa de desembolsar menos pela mensalidade do plano de saúde há quem opte pela modalidade de coparticipação. É preciso ter atenção porque, em muitos casos, a diferença de preços não é tão elevada e pode significar uma “falsa economia” para o bolso, pois quando você o utiliza demais, a mensalidade pode se igualar ou até mesmo ultrapassar a mensalidade de um plano integral.

Além das coparticipações, você ainda tem que pagar a mensalidade do plano. Essa modalidade não é indicada para pessoa idosa e portador de doenças preexistentes, como diabetes e cardiopatia, pois a probabilidade de se utilizar o plano é alta e o consumidor pode se surpreender com a mensalidade elevada no final do mês.

Eles são mais vantajosos para jovens que não costumam utilizar o plano com muita frequência ou não têm condições de arcar com a mensalidade dos planos de cobertura integral, mas, ainda assim, a pessoa acaba contando com a sorte, pois não tem como saber quando e quanto utilizará o plano.

No plano coparticipativo o valor a ser pago por cada procedimento deve ser menor que o pagamento integral do procedimento. Antes de contratar verifique quais procedimentos (consultas, exames etc.) estão sujeitos à cobrança.