Namoro, rosa e leitura

Claudio Considera

24 de maio de 2021 | 10h33


Sete em cada 10 brasileiros têm postergado o consumo devido à pandemia. Essa sondagem que fizemos no FGV-IBRE (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas) demonstra, sem dúvida, o quanto a economia tem sido impactada pelos erros cometidos pelo governo federal, como não comprar 70 milhões de doses da vacina Pfizer, em agosto do ano passado.

Dinheiro curto e perda de renda

Economia é um conjunto de atividades desenvolvidas por seres humanos, que visam à produção, distribuição e consumo de bens e serviços. Quando estes seres humanos temem adoecer e morrer em consequência da Covid-19, a economia trava. E se isso ocorre após longos anos de altos níveis de desemprego, tudo fica pior.

O Dia dos Namorados – 12 de junho – é uma esperança para lojistas, industriais e prestadores de serviços. Mas, na referida pesquisa do IBRE, 37,5% dos que adiaram as compras explicaram esta precaução pela perda de renda com medidas restritivas da pandemia.

Se não sobrar dinheiro para presentear a namorada ou namorado, uma sugestão:
compre um livro ou uma flor. Conhecimento e natureza são essenciais à vida humana, assim como romance. Desleixo com a vida, não. Isso é crime.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.