Não se iluda com as ‘bondades’ eleitorais

Claudio Considera

14 de maio de 2022 | 11h12


Às vésperas da eleição presidencial, a caneta de quem tenta se reeleger fica mais cheia de tinta, e as ‘bondades’ aparecem por todos os lados: saques do Fundo de Garantia, saques de saldos em contas inativas (Sistema de Valores a Receber), antecipação do 13ª salário de aposentados e pensionistas do INSS.

Não se endivide com as “bondades”


Ainda pode vir o reajuste salarial linear de 5% para o funcionalismo público federal em julho próximo, se o Executivo receber sinal verde do Judiciário e do Legislativo.

Esses ingressos de dinheiro amenizam um pouco a crise, que combina inflação com estagnação econômica. Mas não se deixe iludir: cada centavo deve ser usado para quitar ou reduzir dívidas.

Com inflação de 12,13% no acumulado em abril, certamente o Conselho de Política Monetária (Copom) do Banco Central seguirá os aumentos da Selic, taxa básica de juros da economia.
E, neste cenário de juros cada vez mais altos, dever é flertar com o superendividamento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.