O que fazer para não ter o nome “sujo”

Claudio Considera

13 de maio de 2019 | 10h53

A educação financeira deveria fazer parte da rotina do brasileiro, mas não é o que acontece. Controlar gastos evitando cair na tentação do consumo fácil ainda é um desafio diante do desconhecimento, ou da falta de conscientização sobre a importância de poupar.

O jovem abusa no uso do cartão de crédito

Os jovens são os mais vulneráveis aos riscos do endividamento ao entrar no mercado de consumo e obter, por exemplo, o primeiro cartão de crédito. Como o cartão dá a falsa impressão de que esteja comprando sem gastar, muitos acabam contraindo dívidas, o que explica 40% deles estarem no cadastro de inadimplentes.

Preparar as novas gerações por meio da educação para o consumo, a fim de que saibam controlar gastos, sobreviver em um  mercado de emprego escasso e à baixa renda, é um trabalho árduo. Mas que deveria fazer parte do currículo escolar.

É louvável o esforço desenvolvido pelas escolas e por instituições públicas e civis na Semana Nacional de Educação Financeira, que este ano terá inúmeras atividades online e presenciais, entre os próximos dias 20 a 26. Mas deveríamos ter muito mais iniciativas como esta, considerando-se o nível de endividamento dos jovens e dos adultos. Confira em bit.ly/2vJZDzN

Tendências: