Paiol de pólvora

Claudio Considera

01 de fevereiro de 2021 | 10h21

Há uma combinação explosiva no ar, que pode afetar ainda mais o anêmico mercado de consumo. E, por extensão, o emprego e o poder aquisitivo das famílias: inflação alta e fim do auxílio emergencial devem fazer com que as classes D e E percam o equivalente a R$ 48 bilhões de sua renda, e a potencial paralisação dos caminhoneiros.

Inflação alta e fim do auxílio emergencial: combinação explosiva (Foto: Bankrate)


Por enquanto, parece que o movimento não prosperou, até porque parte dos caminhoneiros se identifica com o presidente da República. Mas o risco para a economia é muito grande.

Há outras ameaças no ar, obviamente: a cobrança de países europeus e dos Estados Unidos por uma política ambiental mais assertiva no Brasil.

O governo federal não dá mostras de levar o assunto a sério. E o ministro das Relações exteriores, Ernesto Araújo, voltou a atacar a China, no Fórum Econômico Mundial, ao tratar do tecno-totalitarismo.

Estão acendendo fósforos no paiol de pólvora, e só cabe ao consumidor cuidar muito bem do seu orçamento, para evitar sofrimento mais intenso neste cenário político-econômico lunático.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.