Patifaria e incompetência nos céus do Brasil

Claudio Considera

27 de dezembro de 2021 | 08h23

Patifaria contra o consumidor sempre é lamentável. Patifaria que impeça milhares de passageiros de viajar para encontrar familiares chama atenção até no país em que o governo federal, à la Herodes, quer dificultar o acesso das crianças à vacina contra a Covid.

Itapemirim deixou sem voo  mais de 100 mil brasileiros (Foto: AP)


Segundo estimativas do Procon-SP, mais de 133 mil passageiros foram afetados pela molecagem da Itapemirim (o adjetivo é meu), considerando viagens de ida e volta entre 17 de dezembro e 17 de fevereiro.


O pior é que mesmo o reembolso não assegura a viagem ao consumidor, pois comprar passagens aéreas em promoção, com antecedência, é bem mais barato do que em cima da hora. Além disso, há poucas opções, em um mercado nas mãos de três empresas (Azul, Gol e Latam).

O que fazer? Registrar reclamação no Procon, recorrer ao Juizado Especial Cível, cobrar a Anac, agência reguladora da aviação civil.
Ficam algumas perguntas sobre esse caso lastimável: como uma companhia em recuperação judicial conseguiu criar uma empresa aérea com capital ínfimo?

A Anac, como se dizia antigamente, ‘dormiu de touca’ e deixou os passageiros à mercê desta malandragem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.