Plano de saúde é sim relação de consumo

Proposta em discussão na Câmara busca alterar legislação para planos de saúde

Economia & Negócios

21 de agosto de 2017 | 14h49

Parece mentira que às vésperas de o Código de Defesa do Consumidor completar 27 anos de aprovação ainda se discuta sua não aplicação em típicas relações de consumo.

Como o que se pretende na proposta em debate em comissão especial da Câmara para excluí-lo dos contratos de planos de saúde.

Mostra como as entidades de defesa do consumidor não podem vacilar na luta contra todo o tipo de fraude, picaretagem e crimes de consumo.

Por isso, elas estão unidas e insistem para ter participação na audiência pública que tratará do tema, nesta terça-feira, 22, após terem sido excluídas de outras rodadas de discussão. Trata-se de garantir o interesse público no setor de assistência suplementar à saúde.

A saúde suplementar não pode ser puramente mercantilista, não se pode pensar somente na lucratividade do setor, em detrimento do livre exercício da medicina e dos direitos fundamentais do paciente e do consumidor. Não podemos deixar o brasileiro à mercê da inoperância do sistema público de saúde, ao tornar os planos cada vez mais incessíveis.

O Código de Defesa do Consumidor (CDC), guarda-chuva que abriga todas as ações em prol dos cidadãos quando estabelecem relações de consumo, deve se respeitado. Não se admite retrocessos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.