Retrocesso no uso de cadeirinha no carro põe crianças em risco

Retrocesso no uso de cadeirinha no carro põe crianças em risco

Claudio Considera

07 de junho de 2019 | 10h33

Uma luta de anos para garantir condições mínimas de segurança para o transporte de crianças nos carros não pode ser jogada no lixo como pretende proposta do governo Bolsonaro de acabar com as multas de quem não usar as cadeirinhas. Em vigor há nove anos, a medida já poupou milhares de vidas.

Dados da ong Criança Segura apontam que os riscos de morte diminuem em 71% quando as crianças estão em cadeiras de segurança. Os equipamentos também reduzem em até 69% a necessidade de hospitalização de crianças com até quatro anos de idade.

Contar apenas com a conscientização dos pais sem punir os infratores é intolerável quando se sabe que a única forma segura de levar a criança em veículos é com a cadeirinha. Se pouco mais da metade usava esses dispositivos de segurança logo após a vigência da lei, apesar da multa em torno de 300 reais e sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH), imagine sem essas punições.

Nossa esperança é que o Congresso tenha consciência e não valide esse retrocesso que põe em risco a vida de nossas crianças.

Tendências: