Retrocessos e pandemia

Claudio Considera

21 de dezembro de 2020 | 10h51

Este ano já entrou para a história negativamente. Não faltam fatos para esta conclusão: pandemia, quase 200 mil mortos, e estranhas pautas políticas, que flertam com o autoritarismo.

A pobreza, a inflação e o desemprego aumentaram, não somente em função do coronavírus, mas da incompetência na condução pública da economia.

Desalento foi a tônica do ano Foto: Marcos de Paula/ESTADÃO

Em meio a medidas provisórias e outras providências para enfrentar a pandemia, os direitos do consumidor foram atropelados.

É inacreditável que queiram uma sociedade sem emprego formal, sem florestas e com educação e saúde de mal a pior. Não haverá recuperação do consumo sem a mudança de diretrizes.

O Congresso Nacional, por incrível que pareça, evitou um cenário muito pior. Feliz Natal!

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.