Saiba como presentear no Dia das Crianças

Além do preço e da faixa etária é importante ficar atento a segurança especialmente se a criança tiver entre 0 e 5 anos, faixa em que ocorrem boa parte dos acidentes com brinquedos

Economia & Negócios

04 de outubro de 2016 | 15h12

Criança gosta mesmo é de ganhar brinquedo, principalmente os mais anunciados na mídia neste período. Cabe aos pais educar os filhos desde pequenos para evitar o consumismo. Ou o uso inadequado de um produto que não é indicado para aquela faixa etária.

É o caso, por exemplo, do tablet. Não é indicado que elas tenham contato antes dos 2 anos. Acima desta idade, o uso deve ser esporádico.

A Academia Americana de Pediatria sugere de uma a duas horas por dia, no máximo, para todos os dispositivos eletrônicos, incluindo tablet, TV, Internet e jogos. É ainda importante que não sejam períodos ininterruptos, mas sim intercalados com atividades de rotina mais saudável, como estudo, leitura, brincadeiras e atividades ao ar livre.

Entre os problemas que as crianças que utilizam o tablet de forma exagerada tendem a ter destacam-se dores musculares, articulares, má postura, dores de cabeça, alteração visual e alteração de sono. Há ainda a possibilidade de apresentarem sintomas de ansiedade, irritabilidade, agressividade, queda no desempenho escolar e isolamento. Controlar o conteúdo acessado pela internet, com monitoramento contínuo, é responsabilidade dos pais.

Mas se sua opção for comprar um brinquedo, além do preço e da faixa etária é importante ficar atento a segurança especialmente se a criança tiver entre 0 e 5 anos, faixa em que ocorrem boa parte dos acidentes com brinquedos.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: