Se fugir do controle, aposente o cartão.

Claudio Considera

27 de junho de 2022 | 08h18

Cartão de crédito não é renda extra, nem financiamento das compras. Trata-se de dinheiro de plástico, para que você não tenha de carregá-lo em espécie. Logo, se estiver pagando parceladamente compras corriqueiras, como as de supermercado, talvez seja hora de repensar o uso do cartão.

Foto: Free Images

Se o cartão fizer você se esquecer do orçamento, não o leve na carteira, exceto em dias de compras previamente programadas. Mas e se não resistir e recorrer ao crédito rotativo do cartão? Nesse caso, aposente este meio de pagamento. Os juros do rotativo são estratosféricos. Viciam. Abrem caminho para o superendividamento. É melhor não começar a usar.

Outra coisa: mudou o nome mas a prática é a mesma. Agora a prática de reduzir o peso mantendo o preço do produto passou a ser chamada de reduflação. Antes era maquiagem de produto. E quem perde como sempre, é o consumidor que leva cada vez menos para casa. O jeito é procurar na etiqueta o preço por quilo ou litro e fazer a comparação, entre as várias marcas, antes de decidir qual levar para casa, para não ser enganado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.