Ex-dono da Del Valle está de volta com nova marca

Clayton Netz

20 de abril de 2010 | 19h09

VIVA

O empresário Gabriel Salomão, responsável pela vinda ao País da mexicana Del Valle– hoje uma marca da Coca-Cola e líder nacional no segmento de sucos prontos – decidiu voltar ao mercado e concorrer com a gigante mundial de bebidas. Para isso, investiu R$ 10 milhões na abertura de uma fábrica em Trindade (GO). Sua nova empresa, a VivaFrut, vai produzir duas linhas de bebidas, a Viva Brasil (sucos), e a GTea (chás prontos), com estreia no varejo prevista para maio. “Analisei o mercado e vi que tinha espaço para outros players”, diz Salomão. Hoje, as duas principais marcas, Del Valle e Sufresh, da empresa Wow, respondem por um terço do mercado, que movimenta R$ 233 milhões por ano. Existe um mercado potencial enorme, já que o consumo per capita é de apenas cerca de três litros por ano.

A estratégia de Salomão está focada em duas frentes. Uma delas é tornar seus produtos conhecidos por meio do pequeno varejo, como lojas de conveniência, padarias e alguns supermercados de pequeno porte. “Mas também estamos em negociações com grandes redes de varejo”, diz Salomão. Inicialmente, os sucos e chás serão comercializados em cinco Estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Minas Gerais e Espírito Santo. A outra iniciativa da VivaFrut é apostar em sabores diferenciados, como as frutas nordestinas (cajá, caju e acerola) e da Amazônia (açaí e cupuaçu), além dos tradicionais campeões de venda, uva, pêssego e manga. O preço médio do produto também deve ficar um pouco abaixo do dos líderes. A expectativa de Salomão é faturar, já no primeiro ano, R$ 35 milhões.

Para distribuiir o produto, o empresário contará com o apoio de outra empresa de seu grupo, a Tok Take, que fornece bebidas e alimentos através de máquinas automáticas, importadas pela companhia. Administrada por três filhos de Salomão, a Tok Take atende a mais de 1200 clientes e 500 mil usuários, espalhados por 60 cidades de dez Estados brasileiros. É essa logística que Salomão vai aproveitar para o novo negócio. “Acredito na receptividade do varejo para bebidas prontas consideradas saudáveis, que vêm tirando mercado dos refrigerantes”, diz Salomão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.