Tenco investe R$ 70 mi em shopping no Cariri

Clayton Netz

20 de julho de 2010 | 19h55

A mineira Tenco começou suas operações há 22 anos, em Belo Horizonte, centrada na construção de empreendimentos residenciais, comerciais e industriais. A partir de 1995, porém, o grupo sentiu a necessidade de diversificar seus negócios e decidiu entrar no ramo de shopping centers. Não saiu mais. Desde o ano 2000, a Tenco opera exclusivamente na indústria de shoppings, com a Tenco Realty. De lá para cá, participou da gestão e do desenvolvimento de 18 empreendimentos – atualmente, conta com oito shoppings em seu portfólio. O foco da empresa são as cidades com população entre 200 mil e 400 mil habitantes.

Nessa estratégia de negócios, uma das suas maiores apostas é o Cariri Shopping, em Juazeiro do Norte, no sul do Ceará, adquirido há um ano e meio do BicBanco. A Tenco está investindo R$ 70 milhões na expansão do centro comercial, que vai dobrar de tamanho, para 42 mil metros quadrados de área locada. Estão previstos um hipermercado e novas âncoras – nomes como Marisa e Riachuelo já confirmaram sua participação. O número de lojas passará de 73 para 193 e as vagas de estacionamento triplicarão. O projeto também prevê a instalação de um parque infantil, seis salas de cinema Multiplex e uma praça de alimentação com o dobro da área atual. “Vamos transformar o Cariri no maior shopping do interior do Nordeste”, afirma Eduardo Gribel, presidente da Tenco. A expectativa da Tenco é atingir um público de 400 mil pessoas, soma das populações das cidades que formam o Vale do Cariri – além de Juazeiro do Norte, incluem-se Crato e Barbalha – a partir da reinauguração do Cariri Shopping. Os municípios estão situados num raio de 10 a 15 quilômetros do shopping.

O público que frequenta o local é formado, em sua maioria, por consumidores das classes média e média baixa. “A ascensão da classe C, que conta com renda maior, nos motivou a realizar a expansão”, diz Gribel. Segundo ele, outro fator decisivo foi o aumento do número de empregos na região. Conhecida pelas romarias dos devotos do Padre Cícero, fundador e primeiro prefeito do município, Juazeiro vem sendo beneficiada nos últimos anos por um surto de industrialização, com a instalação de fábricas de setores como siderurgia, cimentos, calçados, bebidas, alimentos e confecções, entre outros. Nomes como Gerdau, Grendene e a fabricante de cimento Nassau fincaram seus logotipos na cidade. De acordo com Gribel, os consumidores do Cariri são carentes de novidades. “Eles querem ter acesso a tudo o que as pessoas do Sudeste têm, de grifes famosas, restaurantes fast food a escada rolante”, diz Gribel. Desde que assumiu a gestão do Cariri Shopping, a Tenco Realty quadruplicou sua receita.

“Conseguimos aumentar o caixa, basicamente, reajustando contratos de aluguéis defasados”, afirma Gribel. Com a expansão, o shopping vai criar 900 vagas com carteira assinada. O projeto de expansão conta com três empreendedores: a Batur Empreendimentos, a Imobiliária Predileta e a MK Empreendimentos e Participações, parceiros da Tenco em vários projetos. Como parte da estratégia de operar shopping centers em cidades de médio porte, a Tenco está à frente ainda de dois novos empreendimentos. Um deles é o Amapá Garden Shopping, em Macapá, que está recebendo investimentos de R$ 66 milhões e tem previsão de conclusão no final do ano que vem. Para 2012, deve entrar em operação o Metropolitan Garden Shopping, em Betim, na Grande Belo Horizonte, que vai consumir R$ 200 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:

shopping centerTenco

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.