As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Foton desiste do Rio e leva fábrica para Guaíba (RS)

Cleide Silva

14 de agosto de 2013 | 13h02

SÃO PAULO – Pouco mais de um mês após anunciar oficialmente a construção de uma fábrica de caminhões no Rio de Janeiro, a Foton Aumark, empresa do ex-ministro das Comunicações, Luiz Carlos Mendonça de Barros, anunciou a transferência do projeto, orçado em R$ 250 milhões, para o Rio Grande do Sul.

“Fui comunicado na segunda-feira da decisão de não trazer a fábrica para o Rio e na terça fui surpreendido pelo anúncio de que iria para Guaíba”, disse o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico do Rio, Julio Bueno.

No Sul, Mendonça de Barros repetiu ontem a cerimônia que havia sido realizada no Rio, no dia 8 de julho, de assinatura de protocolo de intenções, quando foi anunciado que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) – que já foi presidido por Mendonça – vai financiar até 80% do projeto.

Ontem, quem recepcionou o empresário foi o governador Tarso Genro (PT), que um dia antes esteve na sede do BNDES no Rio. “Sou secretário há 11 anos (quatro no Espírito Santo e sete no Rio) e essa foi a coisa mais insólita que aconteceu comigo”, afirmou Bueno. “Estou perplexo e triste com a forma que foi feita”.

O Rio seria sócio do projeto. Mendonça de Barros é representante no Brasil da chinesa Foton, uma das maiores fabricantes de caminhões da China. A fábrica brasileira, porém, será montada com recursos locais, sem participação da matriz. Na sexta-feira, Bueno viajaria à China com uma comitiva para conhecer o grupo e tentar atrair fornecedores de componentes para o Estado.

Terreno

O vice-presidente da Foton Aumark, Orlando Merluzzi, disse que o grupo desistiu do Rio por não ter encontrado terreno que viabilizasse o empreendimento. Um deles, por exemplo, tinha problemas ambientais. “Nosso prazo de definição tinha se esgotado e a matriz estava preocupada e nos cobrando pelo atraso”, afirmou.

Merluzzi explicou ainda que a urgência na definição da fábrica, inclusive quando foi anunciada para o Rio, se devia ao prazo exigido para a entrega de projetos ao Ministério do Desenvolvimento para participar do Inovar-Auto, programa que estabelece cotas de importação sem imposto extra para quem vai construir fábricas no País.

A fábrica de caminhões será instalada em Guaíba, em parte do terreno onde ficaria a Ford no final dos anos 90. Na época, o governo local, sob o comando do também petista Olívio Dutra, suspendeu benefícios oferecidos pelo governo anterior do PMDB e, em razão disso, a montadora preferiu ir para a Bahia. Segundo Merluzzi, a área será comprada pela Foton.

A Foton negociou a fábrica com o governo gaúcho por oito meses, mas, em julho, acabou escolhendo o Rio. Estava atualmente na fase de escolha da área que seria doada em Itatiaia ou Seropédica. Ontem, assinou protocolo com Dutra.

Empréstimo

Um dos avanços oferecidos pelo governo gaúcho foi a garantia de um empréstimo-ponte de R$ 40 milhões pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) para o início das obras.. O projeto é o mesmo que havia sido anunciado no Rio, mas haverá um atraso de cerca de dois meses, segundo Merluzzi.

As obras da fábrica – que terá capacidade para 21 mil caminhões ao ano e 300 empregados -, devem ficar prontas no fim de 2015. A inauguração ocorrerá no início em 2016. Serão produzidos modelos com capacidade de carga de 3,5 até 24 toneladas.

Segundo nota divulgada pelo governo gaúcho, inicialmente a Foton importará cerca de 3 mil caminhões, conforme cota estabelecida pelo Inovar-Auto. Merluzzi disse que o grupo importou 300 unidades até agora e que está formando uma rede de revendedores.  (Matéria publicada no Estadão de hoje)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.