Vendas a frotistas garantem desempenho das montadoras

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vendas a frotistas garantem desempenho das montadoras

Cleide Silva

08 de janeiro de 2020 | 18h48

A indústria automobilística bateu mais um recorde no ano recém terminado mas, nesse caso, com poucos motivos a comemorar.

As vendas diretas feitas a empresas (frotistas, locadoras etc) responderam por 45,7% dos negócios das fabricantes, a maior participação desde 2012, quando representava 23,9% das vendas totais de automóveis e comerciais leves.

Embora seja importante para utilizar parte da capacidade das fábricas, esse tipo de venda é pouco lucrativo.
Segundo as empresas, é feito à base de elevados descontos, na casa dos 20% a 25% em média.

É fato que as vendas diretas devem continuar crescendo, pois há um volume cada vez maior de locadoras e frotistas adquirindo veículos para serviços de compartilhamento, como Uber e 99 para atender, por exemplo, a fatia de consumidores que não quer mais ter carro.

Desde 2012, as vendas diretas cresceram praticamente todos os anos. Em 2019 essa modalidade somou 1,062 milhão de unidades vendidas, 14,3% a mais que em 2018, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Já as vendas no varejo, para o consumidor comum, cresceram apenas 2,5%, para 1,443 milhão de unidades. Apesar de darem descontos em razão da alta concorrência, é nessa fatia de mercado que as fabricantes buscam seu maior quinhão de lucratividade.

Setor ‘chorão’

Outro fato é que o setor automotivo é tachado por alguns segmentos econômicos como “chorão” e sempre há aqueles que dizem que as montadoras reclamam, mas ganham muito dinheiro no Brasil.

Dados oficiais do Banco Central, contudo, colocam algumas dúvidas sobre esse argumento, pelo menos nos últimos seis anos, período em que as vendas despencaram de 3,8 milhões de veículos em 2012 para 2 milhões em 2016. Desde então ocorre uma lenta recuperação que chegou a 2,8 milhões de unidades vendidas no ano passado.

De acordo com o BC, entre 2014 e setembro de 2019 as montadoras receberam US$ 64 bilhões de ajuda de suas matrizes. Enviaram de volta em forma de dividendos apenas US$ 1,8 bilhão.

Parte do socorro que veio de fora (US$ 39,7 bilhões) entrou no País como empréstimos intercompanhias e, em algum momento, terão de ser pagos. Outra parte (R$ 24,5 bilhões) veio como injeção de capital.

Em anos anteriores, o lucro remetido costumava ser mais que o sobro do que vinha das matrizes.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: