Sem sofrer com crise, Stihl cresce 22,5% no ano e inaugura centro de distribuição

Sem sofrer com crise, Stihl cresce 22,5% no ano e inaugura centro de distribuição

Cristiane Barbieri

24 de junho de 2020 | 05h40

Centro de distribuição da Stihl, em Jundiaí / Crédito: Edemilson Carvalho/Divulgação STIHL

Sem sofrer com a crise, a fabricante de ferramentas motorizadas Stihl acaba de inaugurar um centro de distribuição 8 mil m² em Jundiaí. Planejado desde 2015, a unidade recebeu investimentos de R$ 14 milhões em instalações, equipamentos e software e vai diminuir em 60% o tempo de entrega dos produtos para o Estado de São Paulo e 35% em outras regiões. O projeto contou com apoio da InvestSP.

Ao contrário de outras indústrias, empresa abriu 100 vagas

Com seus principais clientes no agronegócio, a empresa cresceu 7% na venda de unidades motoras e 17% em cilindros, exportados para outras fábricas do Grupo Stihl no mundo, entre janeiro e maio. A receita bruta cresceu 22,5% no mesmo período, quando somados o mercado nacional e as vendas ao exterior. Com o resultado positivo e a maior demanda, a Stihl contratou 100 funcionários para linha de produção e avalia novas contratações.

De acordo com Cláudio Guenther, presidente da Stihl Brasil, 60% do estoque será transferido ao novo centro de distribuição, que atenderá 2.100 pontos de vendas nas regiões Sudeste, Norte e Nordeste do Brasil. “A descentralização logística permite otimizarmos recursos e diminuir possíveis interferências nas entregas por conta da menor distância”, afirma Guenther.

contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.