Vencedora no leilão de aeroportos, francesa Vinci quer ir além do setor aéreo, no Brasil

Vencedora no leilão de aeroportos, francesa Vinci quer ir além do setor aéreo, no Brasil

Juliana Estigarríbia

08 de abril de 2021 | 05h00

Uma das vencedoras do leilão de aeroportos promovido pelo governo federal ontem, a francesa Vinci está avaliando novas oportunidades de atuação no Brasil. Com forte presença global no setor de infraestrutura, o grupo também está de olho nas concessões em rodovias previstas no País. Somente em aeroportos, a Vinci administra 45 terminais na França, Portugal, Camboja, Chile, Japão, República Dominicana, Costa Rica, Suécia, Estados Unidos, Reino Unido e Sérvia. No Brasil, o aeroporto de Salvador, na Bahia, está sob sua gestão. O grupo também atua em energia e tem importante expertise no setor de rodovias. Em 2020, tinha 4.443 quilômetros de vias administradas na Europa.

Além de tentar entrar na consolidação do setor de aeroportos no Brasil, o grupo também avalia avançar em concessões rodoviárias. Apesar de já ter tentado avançar nessa área no passado, o grupo entendeu que não era o momento – diferente de agora.

Por enquanto, terá o desafio de administrar sete terminais aeroportuários na região Norte do Brasil. A Vinci Airports arrematou o bloco no leilão de ontem por R$ 420 milhões, com ágio de 777%. Segundo o presidente da Vinci Airports, Nicolas Notebaert, um dos pilares da gestão será o compromisso com a agenda ambiental na região. Procurada, a Vinci no Brasil não comentou.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 7/04 às 19h.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

aeroportoPrivatizações

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.