Em Londres e Nova York, aluguel de prédios corporativos subiu mesmo com pandemia

Em Londres e Nova York, aluguel de prédios corporativos subiu mesmo com pandemia

Circe Bonatelli

21 de junho de 2021 | 18h30

Demanda continuou relativamente firme em cidades como Londres Foto: REUTERS/Neil Hall

Levantamento da consultoria imobiliária Newmark mostra que os principais polos de prédios corporativos ao redor do mundo atravessaram a pandemia com demanda relativamente firme – a despeito das dúvidas sobre a possível debandada das empresas devido à popularização do home office.

A região de West End, em Londres, segue com o maior valor de aluguel global, passando de US$ 181 em 2020 para US$ 194 em 2021, no cálculo por metro quadrado ao mês. O segundo do pódio é a Hong Kong, com valores de locação estáveis em US$ 168 no período. Em terceiro lugar ficou Manhattan, na cidade de Nova York, onde o aluguel subiu de US$ 137 para US$ 151.

Valor teve queda moderada na capital paulista

A cidade de São Paulo está na 75ª posição do estudo, com custo médio em US$ 25 neste ano ante US$ 27 no ano passado, quando era a 69ª, segundo a consultoria. Em geral, os mercados mostraram mais flexibilidade de negociação a favor dos inquilinos. No caso da capital paulista, a oscilação se deveu, principalmente, à variação cambial no período de análise do levantamento, afirma a responsável por pesquisa e inteligência de mercado da Newmark, Mariana Hanania.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 21/06, às 16h11.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.