Órama tem como meta o ‘Top 25’ em volume negociado na B3 até 2022

Órama tem como meta o ‘Top 25’ em volume negociado na B3 até 2022

Matheus Piovesana

23 de junho de 2021 | 18h30

Foto: Daniel Teixeira/Estadão

Desde 2019 no mercado de renda variável, a Órama já galgou várias posições em termos de volume negociado, mas quer ir além. Hoje, entre cerca de 60 participantes do segmento Bovespa, no qual são negociadas ações e seus derivativos dentro da Bolsa, a corretora está na 30ª posição em volume transacionado, com giro diário de R$ 200 milhões. A ideia é trazer mais clientes – e negócios – e elevar esse total para R$ 800 milhões, até o fim de 2022. O projeto é chegar ao ‘top 25’ do giro diário e, depois, galgar dois degraus por ano.

Compra da InvestFlex é parte do projeto

Anunciada nesta semana, a compra da InvestFlex é parte do projeto. A empresa de tecnologia trouxe um ativo importante para a Órama – um sistema próprio de gestão de ordens, ou OMS, que processa as operações dos clientes. Até aqui, a Órama usava o OMS de terceiros, como a maior parte das corretoras que operam na B3.

Apesar da prioridade nas pessoas físicas, que foram o motor do crescimento da Bolsa nos últimos anos, a Órama também quer atrair investidores institucionais e seus grandes volumes financeiros. Nesse caso, quem age é a Impulse, área da corretora que fornece serviços às casas, da negociação de ativos ao marketing.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 23/06, às 15h49.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

 

Tudo o que sabemos sobre:

corretorainvestimentosb3ações

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.