Vila 11 investe R$ 120 milhões em prédios para locação residencial

Vila 11 investe R$ 120 milhões em prédios para locação residencial

Circe Bonatelli

27 de junho de 2021 | 05h26

Juros baixos estimularam a entrada de construtoras no mercado de locação residencial  Foto Cris Faga/Estadão Conteúdo

A Vila 11, construtech que desenvolve e administra prédios residenciais para locação na capital paulista, vai investir R$ 120 milhões em dois novos empreendimentos nos bairros de Jardins e Pinheiros. As entregas estão previstas para 2024 e 2025. Com o investimento, a empresa chega a 13 ativos em seu portfólio, contando terrenos e empreendimentos na planta.

A meta é fechar 2022 com 600 apartamentos e pular para um patamar entre 2,5 mil e 3 mil dentro de cinco anos – o que a colocaria entre as líderes do mercado de aluguel residencial. Esse tipo de negócio ainda é novidade no Brasil, mas tem sido muito bem aceito, disse à Coluna o presidente e sócio da Vila 11, Ricardo Laham.

Nos Estados Unidos e na Europa, o mercado de aluguel residencial é dominado por grandes corporações, enquanto no Brasil quase 100% dos proprietários são pessoas físicas e pequenos investidores. Mas os juros baixos incentivaram a entrada nesse mercado de empresas como Luggo (do grupo MRV), Cyrela, Vitacon, JFL, Uliving, entre outras.

A Vila 11 está decidida a jogar de igual para igual com os grandes do mercado. A construtech foi criada em 2017 pelo fundo de investimento em participações Evergreen, que segue como sócio majoritário. Logo na partida foram alocados R$ 1 bilhão na empresa para aquisição de terrenos e execução dos projetos.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 25/06/2021 às 16h50

O Broadcast+ é a plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse
http://www.broadcast.com.br/produtos/broadcastplus/

Contato: colunabroadcast@estadao.com
Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.