Acionistas minoritários não querem ‘ações superpreferenciais’

Coluna do Broadcast

09 de fevereiro de 2017 | 05h00

Como ocorreu nas outras vezes em que a companhia aérea Azul tentou abrir seu capital, a Amec, associação que representa os acionistas minoritários, deve se manifestar contra a existência das ações chamadas de “superpreferenciais”, modelo de estrutura de capital que não altera o controle e divide os papéis entre aqueles que têm poder político – ações ordinárias (ON) – e aqueles com poder econômico – papéis preferenciais (PN). No caso da Azul, as ações PN a serem ofertadas têm valor 75 vezes maior do que as ON.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: