Agência Nacional de Mineração vai investigar garimpos que ‘esquentam’ ouro

Agência Nacional de Mineração vai investigar garimpos que ‘esquentam’ ouro

Mariana Durão

02 de outubro de 2020 | 05h13

Cresce preocupação com garimpo ilegal. Crédito da foto: Sergio Castro/Estadão

 

A Agência Nacional de Mineração (ANM) quer mapear as 2.533 permissões de lavra garimpeiras já concedidas no País, concentradas no Norte e Centro-Oeste. O trabalho será realizado com a Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Minas Gerais, e deve levar três anos.

Fake. A ideia é checar se as operações estão funcionando de fato. Se uma área concedida legalmente não está produzindo nada, mas declara volumes, na prática pode estar “esquentando ouro” proveniente de garimpo ilegal. Mesmo que não seja o caso, a área ociosa pode ser liberada para um interessado em explorar de fato.

Ourotech. O mapeamento vai envolver análise de campo, de imagens e desenvolvimento de um algoritmo de fiscalização. A UFV já desenvolveu projeto semelhante para o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Com a ajuda de drones, mapeou assentamentos para fornecer dados ao Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: