Aliansce aguarda BRMalls para dar pontapé oficial em negociação de fusão

Aliansce aguarda BRMalls para dar pontapé oficial em negociação de fusão

Circe Bonatelli

12 de janeiro de 2022 | 05h10

Entrada do Shopping Villa Lobos, da brMalls. Foto: JB Neto/Estadão

Shopping Villa Lobos, um dos centros de compras da  BRMalls. Foto: JB Neto/Estadão

Após a provocação feita pela Aliansce Sonae nos últimos dias de 2021,  a BRMalls ainda digere, internamente, a proposta para iniciarem as conversas oficiais sobre uma fusão entre as duas companhias. Se concretizada, a união dará origem ao maior conglomerado do setor de shoppings, com 69 empreendimentos. A definição se vão ou não iniciar o ‘namoro’ deve sair nas próximas semanas, apurou a Coluna com fontes. O tema será tratado pelos presidentes de ambos os conselhos: José Afonso Castanheira, da BRMalls, e Renato Rique, da Aliansce, que está fora do Brasil e só volta dia 20. Procuradas, as empresas não comentaram.

A Aliansce contratou o BTG Pactual para intermediar as negociações e, até agora, houve apenas uma conversa preliminar entre ambas, sem qualquer proposta vinculante. Todos os acionistas com um assento no conselho de administração da Aliansce estão de acordo que “crescer é uma obrigação, não uma opção”, segundo fontes. Nesse contexto, a principal saída é a fusão, uma vez que o mercado brasileiro de shoppings já cresceu muito nos últimos anos e ocupou as principais cidades e vizinhanças, sobrando poucas localidades que comportam inaugurações.

Maior poder de barganha

As vantagens de unir os negócios está em aumentar o poder de barganha junto a lojistas e fornecedores, especialmente em um momento em que todas as empresas do setor redobraram os esforços na construção de marketplaces e canais digitais para alavancar as vendas.

A Aliansce analisou a possibilidade de fusão com outras companhias, mas bateu na porta da BRMalls pela qualidade dos shoppings e complementaridade geográfica dos ativos. A BRMalls tem centros de compras onde a Aliansce ainda não atua, casos de Pernambuco, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Da mesma forma, a Aliansce tem unidades na Bahia, Maranhão e Alagoas, onde a concorrente não chegou.

Ambas já discutiram a hipótese de fusão há alguns anos, mas as conversas não prosperaram. Na época, o atual presidente da BRMalls, Ruy Kameyama, havia acabado de assumir o posto e estava colocando em prática uma reciclagem do portfólio – que resultou na venda dos shoppings considerados periféricos para seus resultados do grupo. Com a companhia lapidada, os interesses para união dos negócios voltaram à tona.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 11/01/22, às 19h24.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

shopping centerBRMallsAliansce SonaeM&A

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.