‘Âncoras’ da oferta da Eletrobras assinam cheques a partir de R$ 1,5 bi

‘Âncoras’ da oferta da Eletrobras assinam cheques a partir de R$ 1,5 bi

Cynthia Decloedt

27 de maio de 2022 | 05h40

Projeção é que privatização movimente R$ 30 bilhões  Foto: Fabio Motta/Estadão

Os investidores institucionais que se preparam para ancorar a oferta de ações da Eletrobras têm reservado cheques a partir de R$ 1,5 bilhão, de acordo com fontes. Um terço da oferta também deve ser subscrita pelos atuais acionistas e por fundos de varejo que darão acesso às ações da elétrica com recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), acrescentam as fontes.

A projeção é que a privatização da Eletrobras movimente o equivalente a R$ 30 bilhões. Se a fatia a ser distribuída entre os grandes investidores for de R$ 20 bilhões (ou US$ 4 bilhões), a elétrica não deve ter problemas em encontrar interessados.

Oportunidade para estrangeiros que buscam ações defensivas

Para os investidores institucionais estrangeiros, por exemplo, R$ 1,5 bilhão equivale a cerca de US$ 300 milhões, muito abaixo das alocações que normalmente fazem. Fundos soberanos e de pensão estrangeiros, como o CIG, de Cingapura, e os canadenses CPP e CPPIB, listados entre os potenciais interessados, partem de montantes de US$ 500 milhões a US$ 1 bilhão. Ou seja, caberiam nos US$ 4 bilhões, quatro estrangeiros.

“É uma oportunidade para os estrangeiros, que estão realocando carteiras para regiões com menor exposição à crise global, que buscam ações defensivas e de empresas geradoras de caixa”, disse uma fonte. Segundo ele, além do potencial de valorização do ativo, por conta de investimentos e ajustes em ineficiências que devem ser feitos, a Eletrobras está alinhada à sustentabilidade, como geradora de energia limpa. A estatal tem cerca de 40% de geração da energia do País, 100% limpa, e 40% das linhas de transmissão.

A percepção ainda é que os investidores institucionais brasileiros têm maior dificuldade em entrar na operação. “A dinâmica do investidor local é mais complicada, porque muitos fundos têm sido alvo de resgates e estão machucados com perdas em tecnologia e com a alta do juro”, afirmou outra fonte.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast no dia 26/05/22, às 17h02

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.