André Kriger, da Vivo, será CEO da empresa de fibra ótica do grupo

André Kriger, da Vivo, será CEO da empresa de fibra ótica do grupo

Circe Bonatelli

01 de agosto de 2021 | 05h31

André Kriger, CEO da FiBrasil. Foto: João Arraes

O executivo André Kriger será o presidente da FiBrasil, empresa recém-criada de redes de fibra ótica que tem como sócios a Telefônica Brasil, a Telefónica Infra e o fundo de pensão canadense CDPQ.

Kriger ocupava a posição de vice-presidente de TI na Vivo, onde entrou em 2009. Antes, foi vice-presidente da área de Experiência do Cliente e também diretor de Produtos B2C, com foco em fibra. Ele também teve passagem pela consultoria empresarial Oliver Wyman como sócio. É formado em administração pela FAE, em Curitiba, com MBA em Estratégia e Empreendedorismo pela F.W. Olin Graduate School, da Babson College, em Wellesley, EUA.

A FiBrasil surgiu com o intuito de assumir a construção das redes de fibra ótica, algo que consome bilhões em investimentos anuais, liberando a Vivo para atuar apenas na prestação do serviço. A mesma estratégia também foi adotada pela Oi, que criou a Infraco em sociedade com o BTG Pactual; e a TIM, com a subsidiária Fiberco, tendo como sócia a IHS Fiber Brasil.

A FiBrasil herdou redes com cobertura de 1,6 milhão de domicílios. A meta é ampliar a cobertura para 5,5 milhões endereços nos próximos quatro anos. A empresa atuará com redes neutras, isto é, que podem ser utilizadas também por outros prestadores de banda larga além da Vivo. Os canadenses do CDPQ estão investindo R$ 1,8 bilhão em troca de uma participação de 50% na FiBrasil. Já a Telefônica Brasil e a Telefónica Infra ficaram com 25% cada.

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 30/07/2021, às 14h29.

Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

FiBrasilTelefônicacdpqAndré Kriger

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.