Ao contrário de janeiro, Petrobrás tem demanda apertada para debêntures

Ao contrário de janeiro, Petrobrás tem demanda apertada para debêntures

Coluna do Broadcast

27 de setembro de 2019 | 04h00

Ao contrário de janeiro, quando atraiu uma demanda de cerca de R$ 12 bilhões para sua emissão de R$ 3 bilhões de debêntures, a Petrobrás encontrou nesta semana um pouco mais do que o necessário para levantar o mesmo montante desses papéis. A nova oferta, precificada na última quarta-feira, dia 25, atraiu R$ 3,5 bilhões e, com isso, a petroleira não conseguiu reduzir a taxa de remuneração ao investidor para abaixo do teto oferecido.

Sem essa. A Petrobrás também não encontrou demanda para a série remunerada em CDI e a operação acabou concentrada somente nas outras duas séries de debêntures de infraestrutura. Como são isentas de imposto de renda, há melhor apelo nesse momento de Selic no piso histórico.

On the top. As duas séries de debêntures da Petrobrás que foram colocadas têm vencimento em 2029 e 2034 e ofereceram remuneração de IPCA somado a um prêmio de 3,6% e de 3,9%, respectivamente.

Passado. A operação de janeiro da Petrobrás virou um case para ilustrar o expressivo apetite das pessoas físicas e investidores no geral por diversificação de investimentos em busca de melhor remuneração. Agora, embora a Selic tenha caindo ainda mais, a demanda diminuiu de modo geral, mas, sobretudo, os investidores têm pedido mais prêmio para comprar novos papéis e compensar o expressivo corte da Selic.

siga a @colunedobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

petrobrásdebêntures

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: