Apesar do debate maior, propaganda está longe de ser diversa

Fernanda Guimarães

06 de dezembro de 2020 | 05h00

O mercado de publicidade no Brasil ainda está longe de refletir diversidade. Apesar da maior discussão de pautas ligadas à raça e ao gênero, o momento é de retrocesso e estagnação, segundo o resultado da 9ª onda da pesquisa TODXS, estudo desenvolvido pela ONU Mulheres e pela Heads Propaganda.

Escada. A presença de homens negros em situações de protagonismo na TV, por exemplo, caiu de 22% para 7%. Já a de mulheres negras aumentou cinco pontos porcentuais em relação à onda anterior, mas continua sem ultrapassar os 25% – pico alcançado na 7ª edição do estudo (julho 2018).

Elite. Mulheres brancas ainda representam 74% das protagonistas. Homens e mulheres negros aparecem mais como coadjuvante e ainda assim, com uma presença muito inferior se comparada aos brancos.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 04/12/2020 às 10:02:33.

O Broadcast+ é a plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.