Após aporte de R$ 13 mi, Condolivre abre fundo para buscar mais R$ 50 mi

Após aporte de R$ 13 mi, Condolivre abre fundo para buscar mais R$ 50 mi

Circe Bonatelli

17 de setembro de 2021 | 05h40

 

Prédio em obra mostra expansão do mercado imobiliário. Crédito da foto: Rafael Arbex / Estadão

Fintech Condolivre oferece linhas de créditos para condomínios Foto: Rafael Arbex /Estadão

Criada este ano para oferecer linhas de crédito para condomínios residenciais e comerciais, a fintech CondoLivre acaba de constituir um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) para captar R$ 50 milhões. O dinheiro será destinado para abastecer os financiamentos a esse mercado, que é gigantesco e atrai a atenção de poucos bancos.

A CondoLivre recebeu R$ 13 milhões em aportes logo após sua fundação, encabeçados por TAG Investimentos e Vila Velha Corretora, além de investidores-anjos dos segmentos financeiro e imobiliário. Os recursos foram usados na construção de plataformas operacionais próprias.

A fintech trabalha em parceria com as administradoras de condomínios, porta de entrada para atingir o público-alvo. Oferece capital de giro e financiamentos de médio prazo para condomínios, crédito consignado para os funcionários (desde RH até zeladores) e recursos para os fornecedores. Já atende oito administradoras (entre elas Lello, Habitacional e Hubert) que, juntas, têm 5 mil condomínios no portfólio.

A CondoLivre tem como sócios-fundadores Matheus Munford (CEO), Luiz Guilherme Moraes (COO), Henrique Rusca (CTO) e Rodrigo Gebara (CPO). A fintech tem carteira de R$ 5 milhões em empréstimos.

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 16/08/2021, às 15h59.

Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

Condolivretag investimentosfidc

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.