Após evitar descarte de milhares de toneladas de lixo orgânico, BIG expande uso de conversor

Após evitar descarte de milhares de toneladas de lixo orgânico, BIG expande uso de conversor

Cynthia Decloedt

16 de abril de 2022 | 08h15

A maior parte do lixo orgânico no Brasil é destinado a aterros a céu aberto e sem tratamento correto do descarte. Foto: MARCOS ARCOVERDE / ESTADÃO

 

O grupo BIG, dono das lojas BIG, Sam’s Club e Maxxi Atacado está incentivando seus consumidores a reciclarem o lixo orgânico. Em parceria com a empresa de tecnologia Bioconverter, vai estender para 55 lojas até o fim do mês a instalação de equipamentos que transformam restos perecíveis orgânicos em um líquido rico em nutrientes.

O projeto piloto foi iniciado em agosto e o equipamento já funciona em 28 unidades da rede. O equipamento tem capacidade para realizar a biodigestão de até uma tonelada de resíduos por dia.

Só em Osasco, o BIG deixou de enviar 56 mil toneladas de lixo orgânico em 6 meses

Para se ter uma ideia do que isso significa, somente na unidade de Osasco, entre agosto e dezembro de 2021, o BIG deixou de enviar 56 mil toneladas de resíduos orgânicos para o aterro sanitário da região. Houve ainda redução de emissão de 50 toneladas de gás carbônico na atmosfera. Para compensar essa quantia de poluentes, seria necessário o plantio de mais de 830 árvores.

O Brasil tem déficit de aterros sanitários que fazem a correta destinação e tratamento do lixo gerado. Muitos resíduos ainda são destinado a lixões, que normalmente estão a céu aberto e sem tratamento correto do lixo. Os prejuízos são não só ambientais, mas sanitários e sociais, deixando comunidades em seu entorno expostas.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 15/04/2022, às 11:58:39.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.