Apple diz a autoridades brasileiras que trabalha por atualização para 5G, mas não estabelece data

Apple diz a autoridades brasileiras que trabalha por atualização para 5G, mas não estabelece data

Amanda Pupo

05 de agosto de 2022 | 05h40

A Apple afirmou a autoridades brasileiras que está trabalhando pela atualização que permitirá que usuários do Iphone 13 usufruam do 5G ‘puro’ – standalone’ – no Brasil, mas não se comprometeu com uma data para disponibilizar o ajuste. A informação foi repassada à Coluna do Broadcast pelo presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Carlos Baigorri, que participou de reunião com a companhia nesta semana, em Palo Alto (EUA), junto do ministro das Comunicações, Fábio Faria. Os representantes da Anatel e do governo foram aos Estados Unidos para tentar sensibilizar a Apple a lançar a atualização até fim de setembro, quando o 5G deverá estar operacional em todas as capitais brasileiras.

De acordo com Baigorri, a companhia informou que ainda está debruçada sobre algumas questões relativas ao software. A mensagem foi de que a Apple entendeu a urgência do pedido levado pela comitiva brasileira, mas que seguirá com seu princípio de apenas trabalhar com “produtos de excelência”. Portanto, só disponibilizará o ajuste quando estiver de fato pronto. “Dissemos que esperamos que até o fim de setembro eles já consigam esse acesso para o Iphone. Eles se comprometeram a buscar isso, mas não se comprometeram com uma data firme. Falaram que vão fazer o máximo, e que o mercado brasileiro é muito importante”, relatou o presidente da Anatel.

A Apple, como outras empresas de tecnologia, já comercializa dispositivos compatíveis com o 5G. No Brasil, no entanto, a tecnologia nesses aparelhos da companhia só funciona com a rede NSA (non-standalone), pela qual a latência da internet é menor que a oferecida pelo 5G puro – ou seja, registra um tempo maior de resposta entre um dispositivo enviar um pedido à rede de internet e ele ser respondido.

Tudo o que sabemos sobre:

Apple5GbrasilAnatel

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.