Atvos terá de anular pagamentos feitos para seguradoras

Atvos terá de anular pagamentos feitos para seguradoras

Coluna do Broadcast

24 de outubro de 2019 | 04h00

A Atvos, braço sucroenergético do Grupo Odebrecht, terá de devolver ao caixa da companhia cerca de R$ 3 milhões referentes a pagamentos feitos para seguradoras para não perder a cobertura de seguros de responsabilidade civil, equipamentos e transportes. A devolução foi determinada pelo juiz da recuperação judicial e acontece após os fundos americanos Lone Star e Castlelake, representados pela Planner, apontarem irregularidade nesse e em outros pagamentos. O problema é que os pagamentos foram feitos sem o consentimento de todos os credores, como prevê a lei. O juiz determinou também que a Atvos estabeleça novos contratos de seguro. Outros pagamentos que são citados como irregulares correspondem a vale-refeição e planos de saúde para empregados, os quais o juiz da recuperação judicial manteve.

Para tudo. Além de citar tais pagamentos, os dois fundos, com dívidas de cerca de R$ 1 bilhão em debêntures contra a Atvos, apontaram à Justiça irregularidade também no formato da lista de credores apresentada pelo administrador judicial e que serve de base para a contagem de votos em assembleia de credores. Por conta disso, a votação do plano que estava marcada para hoje foi suspensa pelo Tribunal de Justiça. Agora, o administrador judicial terá de apresentar uma lista consolidada de todos os credores, conforme prevê a lei, e não só listas individualizadas das nove companhias em recuperação judicial, seguindo a orientação do juiz da RJ.

Só um pouquinho. Ao comunicar a suspensão, que a empresa já previa, a Atvos informou que os pagamentos representam apenas 0,07% do valor total de créditos sujeitos à recuperação judicial. O pedido de recuperação judicial, entregue à Justiça em 29 de maio, informou perto de R$ 12 bilhões em dívidas.

Puxa fila. Os fundos foram responsáveis por precipitar a recuperação judicial da Atvos, após executar uma ordem de penhora de 65% da produção da empresa.

Contato: colunabroadcast@estadao.com
Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

atvosodebrecht

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: