Banco Original, da J&F, inicia testes no PIX e mira fintehcs

Banco Original, da J&F, inicia testes no PIX e mira fintehcs

Aline Bronzati

22 de junho de 2020 | 10h12

O Banco Original, pertencente à holding J&F, recebeu aval do Banco Central e integra a primeira fase de testes do sistema de pagamentos instantâneos que será implementado no Brasil, o PIX. Ao lado de outras instituições, digitais e nomes tradicionais do setor bancário, o objetivo é estar preparado no segundo semestre para atender não somente os clientes dentro de casa – são cerca de 3,5 milhões, mas também as fintechs, startups do mundo financeiro.

Previsto para estrear no dia 3 de novembro deste ano, o PIX vai permitir que os brasileiros enviem e recebam dinheiro em questão de segundos, 24 horas por dia, sete dias por semana. O Original quer ter tudo pronto bem antes, já em setembro, conta o diretor-executivo de TI, Produtos, Open Banking e Operações do Banco Original, Raul Moreira.

“Queremos prover os pagamentos instantâneos para os nossos clientes e também para fintechs para que mais entrantes possam se beneficiar do PIX”, conta ele, em entrevista exclusiva ao Broadcast.

Crescer junto a fintechs faz parte da estratégia da atual fase do Original. Desde a chegada da nova gestão, há cerca de um ano e meio, o banco repaginou seu portfólio, reforçou a aposta em tecnologia e também aprimorou a governança corporativa. Moreira, vindo da Alelo, empresa de benefícios de Bradesco e Banco do Brasil, foi trazido pelo presidente da instituição, Alexandre Abreu, justamente para tocar a reviravolta sob a ótica digital.

Desde então, o Original tem se posicionado como o ‘banco das fintechs’. A conversa com as novatas sobre o PIX deve começar em breve antecipa Moreira. Ao longo do mês de junho, o banco tem se debruçado em testar sua própria estrutura. Tão logo essa etapa seja concluída, o Original deve abrir sua plataforma para ajudar empresas menores a se conectarem ao PIX.

Nessa primeira fase, conta Moreira, está sendo testado o aspecto transacional do PIX, com o envio e recebimento de transações somente entre as instituições financeiras. O sistema já atraiu 980 candidatas que manifestaram o desejo de operá-lo – aquelas com mais de 500 mil contas de clientes ativas têm adesão compulsória. Parte, incluindo o Original, participa da primeira fase de testes.

O banco quer se antecipar, conforme ele, à uma nova tendência no mercado brasileiro: o banking as a service. Da sigla em inglês BaaS, consiste na transformação da atividade bancária como um serviço que pode ser prestado por diferentes empresas. Na visão de Moreira, os pagamentos instantâneos vão agregar ao modelo de open banking, sistema que permitirá o compartilhamento de dados bancários dos clientes entre as instituições.

“As características do mercado financeiro vão mudar em 2021. Cada vez mais, o setor passará a prestar serviços e se abrir a novos entrantes”, prevê Moreira. “Isso permitirá mais inclusão financeira. O digital vai trazer novo dinamismo ao setor”, acrescenta.

Sob o tema novos entrantes, o diretor do Original defende um tratamento igualitário para os pequenos e também os grandes. Na semana passada, a atuação de bigtechs no mercado brasileiro ganhou holofotes com o anúncio da solução de pagamentos do WhatsApp, do Facebook. De quebra, também esquentou as discussões em torno de uma eventual concorrência com o PIX, em desenvolvimento pelo BC.

“O sistema de pagamento instantâneo pode facilitar a entrada novos players, o que é positivo. Seja bigtech ou fintech, é preciso que haja um tratamento igualitário”, defende o diretor do Original.

Outro desafio do setor, na visão do especialista, é o de comunicação. É importante, conforme ele, que as instituições participantes ao PIX façam um trabalho de esclarecimento junto aos usuários. A pandemia do novo coronavírus ajudou a avançar na digitalização, mexendo, inclusive em aspectos culturais. Mas a chegada do PIX traz um desafio adicional.

“Não é coisa simples. As pessoas poderão receber e enviar dinheiro somente com a chave do seu e-mail, por exemplo”. “Há muitos detalhes importantes que precisam ser esclarecidos em um forte trabalho de comunicação, que será fundamental para ampliar a adesão não só ao PIX bem como ao open banking no futuro”, conclui Moreira.

Essa matéria foi publicada originalmente no Broadcast,

 FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

em 19/06/2020, às 11:32:31.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.