Bancos cobram reformas do novo governo

Bancos cobram reformas do novo governo

Coluna do Broadcast

04 Dezembro 2018 | 16h28

Apesar de um tom otimista em relação ao ano que se avizinha e ao novo governo, a cobrança pela implementação das reformas econômicas macroeconômicas foi a tônica do tradicional almoço de fim de ano da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). O recado foi claro: o Brasil precisa colocá-las em prática para que possa engrenar uma trajetória mais vigorosa de crescimento.

Ao menos isso
A urgência está na implementação da reforma da Previdência, tida como essencial para equacionar a situação fiscal do País. O resto, diz um executivo do alto escalão de um grande banco, pode vir depois. Durante seu discurso, o presidente da Febraban, Murilo Portugal, ressaltou a necessidade das reformas e disse que espera-se que o ajuste na aposentadoria oficial ocorra no próximo ano. Dentre as preocupações dos dirigentes dos bancos, está como o próximo governo conciliará a sua ala estatizante com uma equipe econômica liberal, nos moldes da escola de Chicago.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast+