Bancos comemoram recorde na renda fixa, mas 2022 é dúvida

Bancos comemoram recorde na renda fixa, mas 2022 é dúvida

Cynthia Decloedt

22 de outubro de 2021 | 05h15

Banco BV (antigo Votorantim). Crédito da foto: Solange Macedo/Divulgação

Banco BV teve emissões recorde de debêntures até setembro  Foto: Solange Macedo/BV

Os bancos de investimento comemoram os volumes recorde de 2021 em emissões de debêntures e outros ativos de renda fixa, mostrando a volta do investidor para esses ativos, que ficaram relegados ao segundo plano com a queda expressiva recente da taxa Selic. A área de renda fixa do banco BV, por exemplo, estabeleceu um recorde de R$ 18 bilhões em operações de emissões de debêntures e outros títulos feitos para empresas até setembro. O recorde anterior havia sido de R$ 17 bilhões em todo o ano de 2019.

O receio de aumento da volatilidade dos mercados no ano que vem, a alta da Selic e o interesse de novas empresas em captar recursos por esse canal, em vez do crédito bancário, explicam o crescimento no volume de operações, de acordo com o diretor executivo de Corporate & Investment Banking e Tesouraria do BV, Rogerio Monori. Entre os “estreantes”, o segmento do agronegócio tem liderado.

Mas esse quadro pode mudar em 2022. O cenário tem se deteriorado, com as perspectivas de expansão econômica caindo semana a semana, diz ele. Fora as incertezas fiscais, renovadas agora por dúvidas sobre como o governo colocará de pé a proposta do Auxílio Brasil, a grande preocupação está em a inflação se mostrar persistente no ano que vem. Moroni nota que isso afeta a renda da população e, por consequência, a demanda das empresas, que devem ser atingidas negativamente por um juro real mais alto.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 21/10/21, às 10h43.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.